Indústria gaúcha vai investir menos em 2011

A evolução da crise financeira global e seus possíveis desdobramentos negativos na economia brasileira, além da forte entrada de produtos manufaturados importados, devem seguir impactando as intenções de investimentos do setor industrial gaúcho em 2012. De acordo com a pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), 84,9% das empresas planejam investir, um percentual menor do que ocorreu em 2011 (88,1%). "O momento é de cautela, grande parte dos investimentos serão para terminar projetos já iniciados, uma vez que a concorrência com os importados retira fatias do mercado dos produtos fabricados no Brasil e muitas empresas operam com capacidade ociosa", interpretou o presidente da Fiergs, Heitor José Müller.

Conforme 85,6% dos industriais, o fator potencial mais importante para impedir total ou parcialmente a efetivação dos investimentos é a incerteza com as consequências da turbulência econômica internacional. Um índice bem superior ao do ano passado, quando 63% dos entrevistados disseram que esse fator foi responsável pela não realização plena dos projetos. O segundo e terceiro maiores riscos apontados para os próximos 12 meses são a reavaliação da demanda pela ociosidade elevada (52,2%) e o aumento inesperado do custo previsto (34,4%). Completam o ranking, o custo do crédito e do financiamento e a dificuldade de obtenção de mão de obra qualificada (28,9%).

A busca da indústria gaúcha em 2012 será por ganhos de produtividade e redução de custos. Portanto, a melhoria do processo produtivo constituirá o principal objetivo dos investimentos planejados para 31% dos entrevistados, seguida da elevação da capacidade produtiva (28,2%). Já a manutenção da utilização da capacidade instalada (12,9%) perde importância relativa para as questões associadas à inovação, em especial, a introdução de novos produtos, conforme 18,8% das respostas. Segundo o presidente da Fiergs, "o Brasil precisa de um choque de industrialização. Este é um choque estrutural, capaz de gerar ganhos de competitividade, pois não se trata de uma questão conjuntural, apenas. A indústria brasileira vem perdendo espaço nos mercados internos e externos nos últimos anos."

Além disso, o foco das vendas ficará no mercado consumidor nacional (60,8%), enquanto apenas 2,4% indicaram outros países. Müller lembrou que desde 2000 vem caindo a participação dos produtos manufaturados nos embarques brasileiros, bem como aumentando a participação dos importados no mercado nacional. Apesar do saldo comercial brasileiro de US$ 29,8 bilhões em 2011 ter sido o maior desde 2007, a indústria apresenta um resultado tímido. "Muitas empresas estão com dificuldades de acessar o mercado internacional. Na prática, estamos perdendo a oportunidade de gerar renda e empregos. Essas importações estão suprindo boa parte da demanda interna, diminuindo a participação do setor industrial nacional. Se essa tendência permanecer, vamos voltar aos tempos do charque", alertou Müller.

Com relação às origens do financiamento para os novos investimentos, os industriais consultados afirmaram que os recursos próprios serão a principal fonte de capital (46%), porém, uma proporção menor em relação à praticada em 2011, quando chegou a 50,6%. Desta forma, o setor dará mais ênfase na utilização de financiamento de terceiros, especialmente dos bancos oficiais de desenvolvimento (32,4%), seguido de bancos comerciais privados (8,9%) e públicos (8,4%).

Como parte dos investimentos, 83,9% dos pesquisados informaram que vão adquirir máquinas e equipamentos. Uma quantidade expressiva destas compras virá dos importados (61%), sendo que 19,8% pensam em aumentar suas encomendas do exterior, em relação ao que foi adquirido em 2011 e 10,6% pretendem reduzi-las.

Na avaliação de 70% dos industriais, a capacidade atual do parque produtivo é suficiente para atender a demanda prevista para 2012, e 12% afirmaram que a estrutura está mais do que adequada. Somente 18% acham necessário ampliá-la.

Estado espera receber R$ 800 milhões ainda este ano

As parcelas liberadas nas diversas operações de crédito conquistadas pelo Rio Grande do Sul devem somar R$ 800 milhões em 2012, segundo detalhou o secretário da Fazenda, Odir Tonollier. Ele explicou que o valor é a soma das parcelas previstas para esse ano de um conjunto que reúne as seguintes operações: R$ 800 milhões do Bird; R$ 100 milhões do Profisco (tomados junto ao BID) e R$ 1,085 bilhão do Bndes. Além disso, computa R$ 240 milhões dos programas PEF I e II já recebidos, o que totaliza R$ 2,225 bilhões.

"Os recursos são, em sua maioria, para sustentar o plano de obras", explicou o secretário, ao detalhar que o Rio Grande do Sul já conquistou a ampliação de espaço fiscal para assumir financiamentos de até R$ 1,4 bilhão. Desse limite, a ideia do governo é comprometer R$ 300 milhões para a construção do metrô de Porto Alegre e outros R$ 300 milhões para obras de mobilidade urbana. Os recursos, em ambos os casos, seriam repassados via Caixa Econômica Federal (CEF). "Também negociamos outra linha, de US$ 200 milhões, com o BID, para garantir a capacidade do Rio Grande do Sul de honrar as contrapartidas dos investimentos", disse ele.

Tonollier afirmou aos jornalistas que outra operação está em negociação com o BID. Nesse caso, a administração pública quer tomar R$ 800 milhões para quitar dívidas mais antigas, que têm juros maiores. "Como é uma operação de substituição, não precisa de espaço fiscal", indicou o secretário. Sem apontar datas, o titular da Sefaz disse, ainda, que espera para o primeiro semestre de 2012 o pagamento da primeira de três parcelas anuais da dívida da União com a CEEE. "O valor é menor do que os números que tem se falado e o pagamento virá já com o desconto das dívidas que a companhia tem com a União. Ainda assim, será um aporte de recursos significativo", indicou.

Para 2012, o plano de obras inclui o começo de 104 acessos municipais (dos quais 77 devem ser concluídos até 2014), 19 obras de ligações regionais que também devem terminar até 2014, o começo de oito obras de duplicação e a conclusão de outras três até 2014, o que inclui a RS-118. No total, o secretário projeta investimento de R$ 2,6 bilhões.

Ritmo da realização de projetos preocupa o segmento industrial

No ano passado, 46% dos investimentos planejados pela indústria foram realizados apenas parcialmente. Em 2010, a proporção foi consideravelmente menor (36%). "Esta direção é perigosa. O exemplo das nações hoje desenvolvidas indica que é preciso basear na indústria o processo de crescimento econômico e de evolução social", destacou o presidente da Fiergs, Heitor Müller.

As dúvidas com os impactos da crise mundial em 2011 determinaram a não realização completa dos projetos, de acordo com 63% dos entrevistados. O segundo motivo apontado foi o custo do crédito e do financiamento (32,6%), seguindo pela reavaliação da demanda e pela ociosidade elevada (28,3%) e dificuldades de obtenção de mão de obra (28,3%).

Na tentativa de ganhar competitividade diante de seus concorrentes internacionais, os recursos da indústria gaúcha tiveram como finalidade elevar a produtividade através da melhoria do processo produtivo e a ampliar a capacidade da linha atual. Dos planos de investimentos de 2011, 68,8% focaram em novos projetos e 31,2% para continuação dos anteriores.

FONTE: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=83819

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: