Exportação gaúcha cresce 7,9% em abril, aponta Fiergs

Os números são divulgados com timidez pelo governo, pois na prática, não são todos os setores que podem comemorar as exportações. Cabe avaliar sempre quais são os bens exportados e qual grau de competitividade. Veja…

—-

As exportações do Rio Grande do Sul expandiram 7,9% em abril, na comparação com o mesmo período do ano passado, somando US$ 1,5 bilhão, e ficaram bem abaixo da média brasileira que cresceu 33,1%, segundo a Fiergs. O resultado foi puxado pelos produtos básicos, já que o setor industrial, responsável por 74,6% dos envios, registrou um avanço de apenas 2,3%.

“O baixo crescimento do volume embarcado deve-se em parte à diminuição na rentabilidade dos exportadores. Enquanto os custos em reais estão aumentando, a taxa de câmbio segue muito valorizada e devido à concorrência não há espaço para reajustes no exterior. Dessa forma, muitos empresários voltam-se apenas para o mercado interno”, diz o presidente da Fiergs, Paulo Tigre. No Estado, entre 2007 e 2010, o número de empresas exportadoras caiu de 2,8 mil para 2,5 mil, segundo a entidade.

Em abril, os setores industriais que mais se destacaram positivamente foram borracha e plástico (26,1%), máquinas e equipamentos (25%), veículos automotores, reboques e carrocerias (22,1%) e alimentos (16,4%). Já as piores performances se concentraram em materiais elétricos (-53,3%), derivados de petróleo (-53%), fumo (-25,6%) e têxteis (-9,1%).

O Rio Grande do Sul respondeu por 7,2% das vendas externas brasileiras e ocupou a quinta posição entre os estados exportadores. São Paulo liderou o ranking (23% de participação), seguido por Minas Gerais (15,5%), Rio de Janeiro (10%) e Paraná (7,8%). Os quatro principais destinos dos produtos gaúchos responderam por mais de 34% dos embarques e todos reduziram seus pedidos em abril, ante o mesmo período de 2010. O primeiro lugar foi ocupado pela China, que deixou de comprar 8,8%, seguida pela Argentina (-0,7%), Estados Unidos (-27%) e Holanda (-5%).

Nas importações, 96,1% das compras do Estado foram de produtos industrializados, que registraram um incremento de 47%, chegando a US$ 1,4 bilhão. Os pedidos de bens de consumo duráveis subiram 31,8%, seguidos por bens de capital (30,4%) e bens intermediários (27,6%).

Quando o primeiro quadrimestre é avaliado, em relação ao mesmo período do ano passado, as vendas externas do Rio Grande do Sul apresentam uma majoração de 29%, totalizando US$ 5,2 bilhões. O setor industrial respondeu por 84% dos embarques e registrou um aumento de 20,3%. Entre os destaques está o setor de alimentos, que vendeu US$ 1,4 bilhão, ou seja, uma elevação de 37%.

 Balança registra superávit de US$ 969 milhões na primeira semana de maio

A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 969 milhões na primeira semana de maio, de acordo com dados divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Entre os dias 1 e 8 de maio, as exportações somaram US$ 5,29 bilhões, com média diária de US$ 1,058 bilhão, enquanto as importações chegaram a US$ 4,321 bilhões, com média de US$ 864,2 milhões.

Em relação à média diária de embarques de maio do ano passado, houve crescimento de 25,5%. Na comparação com abril, houve queda de 0,4%. Nas importações, o valor foi 27,3% superior à média registrada no quinto mês de 2010 e 10,3% menor que o apurado no mês passado.

A balança comercial brasileira acumula superávit de US$ 5,998 bilhões em 2011, até a primeira semana de maio, de acordo com os dados do MDIC. No mesmo período do ano passado, a balança apresentou saldo positivo de US$ 2,682 bilhões. A corrente de comércio (soma das exportações e das importações) chegou a US$ 147,392 bilhões, superando em 29,2% o total de US$ 114,106 bilhões apurado em igual período de 2010.

Até a primeira semana de maio, as exportações totalizam US$ 76,695 bilhões, com média diária de US$ 891,8 milhões, equivalente a um crescimento de 31,3% ante a média de US$ 679 milhões registrada no mesmo período de 2010. Neste ano, as importações já chegam a US$ 70,697 bilhões, com média diária de US$ 822,1 milhões, valor 26,9% superior à média de US$ 647,8 milhões registrada em igual período do ano passado

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=61749&fonte=news

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: